O que é Bitcoin?

O que é Bitcoin?

Criado por um programador – ou talvez um grupo – anônimo conhecido apenas pelo nome Satoshi Nakamoto em 2008, o Bitcoin foi criado com a ideia de produzir uma moeda independente de qualquer autoridade central que fosse transferível eletronicamente, mais ou menos instantaneamente, com taxas de transação muito baixas.

O Bitcoin é como um grande livro-razão, único e compartilhado por todos os usuários simultaneamente. Nele, todas as transações são registradas, sendo verificadas e validadas em um registro público único e universal que não pode ser forjado. Lá estão devidamente protocoladas todas as transações já realizadas na história do Bitcoin, bem como os saldos atualizados de cada usuário.

Assim, nasceu o Bitcoin. Uma forma de dinheiro, assim como o real, dólar ou euro, com a diferença de ser puramente digital, não ser emitido por nenhum governo, onde o usuário é dono da moeda, custodiando o seu próprio saldo e o seu valor é determinado livremente pelos indivíduos no mercado.

O Bitcoin, assim como as moedas hoje emitidas pelos governos, não possui lastro algum. Por esse motivo, as moedas estatais também são chamadas de moedas fiduciárias, onde o seu valor advém da confiança que as pessoas têm em quem as emitiu.

Por definição do protocolo do Bitcoin, a sua oferta é limitada em 21 milhões de bitcoins, a qual crescerá gradativamente a uma taxa decrescente até alcançar esse limite máximo, garantindo assim, uma escassez autêntica.

É por isso que o Bitcoin é uma excelente ideia. Ele cumpre as necessidades do complexo e muitas vezes falho sistema capitalista atual, precisamente porque não possui proprietário e nenhuma autoridade central pode decidir sobre o seu destino. Ele é de propriedade da multidão, seus usuários. E agora tem um histórico de vários anos, o suficiente para que tenha provado a sua utilidade.

Bitcoin é uma moeda sem um governo. Mas, você pode perguntar, “qual a vantagem sobre moedas como o dólar e o real?” No caso das moedas estatais, os bancos controlam a sua custódia e os bancos são controlados pelos governos.

Por esse motivo, Bitcoin tem uma enorme vantagem em relação às moedas fiduciárias: ele não depende de bancos, governos ou bancos centrais. Em algumas regiões do mundo de opressão monetária (Venezuela e Zimbabwe, por exemplo) o Bitcoin é cada vez mais usado como reserva de valor e está salvando famílias inteiras da fome.

Finalmente, o Bitcoin é uma tecnologia inovadora e ainda é considerado um experimento. Pode falhar; mas será facilmente reinventado pois, por ser um software de código-fonte aberto, sabemos como o protocolo funciona.

Em seu estado atual, pode não ser conveniente para pequenas transações, o que não é bom o suficiente para comprar um café ou uma cerveja. O seu preço pode ser muito volátil para ser uma moeda, por enquanto. Mas é a primeira moeda orgânica e a sua mera existência lembrará aos governos que um dos seus principais objetos de controle, ou seja, a moeda, não é mais monopólio do Estado.

Isso nos dá, como cidadãos comums, uma apólice de seguro contra o controle governamental do nosso dinheiro.